Procurar
Close this search box.

3 dicas para poupar nos seguros

seguros

A regressar de férias com a cabeça fresca, a postos para planos e decisões de rentrée?

Apostamos que estas 3 dicas vão ser-lhe úteis para continuar no seu melhor espírito. Ora veja.

contratar
poupar

Nem de mais nem de menos

Avalie, com ajuda de um profissional, quais são as coberturas realmente importantes para si, considerando o seu perfil e o seu histórico.

Poderá detetar situações que convirá prevenir, mais do que remediar – não arrisque, por comodismo ou desconhecimento. Conheça as nossas soluções para saúde, vida, automóvel, acidentes pessoais, multirriscos habitação, entre outros.

Ovos no mesmo cesto... ou não

Uma das grandes vantagens de recorrer a um corretor de seguros como a Diagonal é poder escolher as melhores soluções de cada companhia de seguros no mercado.

A Diagonal opera de forma independente e irá aconselhar o melhor para si.

A solução ideal tanto pode ser um “puzzle” com vários seguros de seguradoras diferentes, como um pacote de seguros na mesma companhia, conforme a melhor relação qualidade/preço para o que procura.

Poupe dinheiro!

Poderá conseguir descontos relevantes se pagar anualmente o seu seguro. Ao optar por uma solução de pagamento faseado, escolha o débito direto.

Faça as contas a médio e longo prazo para que, no final do dia, consiga fazer algo muito melhor com o dinheiro que lhe sobrar! Em qualquer caso, lembre-se de que os corretores prestam-lhe um aconselhamento personalizado, de forma a garantir que toma a decisão mais adequada e vantajosa para si.

Estas são decisões que merecem
conselhos experientes – é para isso que estamos cá!

Temos o seguro.

Partilhar:

Mais artigos

Seguro Diretores e administradores

Lidar com reclamações contra Diretores e Administradores

O número de reclamações contra Diretores e Administradores na Europa cresceu 40% entre 2015 e 2022, indica um estudo da PwC. As principais razões para as reclamações são: violações de leis e regulamentações (30%); falhas de governança corporativa (25%); erros e omissões na gestão (20%); questões de sustentabilidade (15%); e disputas em fusões e aquisições (10%).

Tem sugestões para nós?